sábado, 30 de janeiro de 2010

Rafting no Ribeirão das Lages

Mais uma vez estamos descendo as corredeiras do Ribeirão das Lages. Atividade prevista para acabar com o alagamento provocado por mais uma PCH (Pequena Central Hidrelétrica), ainda este ano de 2010. Esta opção energética do governo Lula vai liquidar com muitas atividades esportivas e turísticas, Brasil afora.

Brindados com um belo dia de sol não escaldante, fizemos o percurso de 10km de rio, com 4 boas ocorrências de corredeiras. Classificado em nível 3, este rio reserva bons momentos.
 
  
  
 
A Equipe que desenvolve esta atividade (Tuareg Rafting) disponibiliza todos os equipamentos necessários para a atividade. Além disso, dispõe durante todo o percurso de apoio na água para resgate daqueles que decidirem por tomar um bom banho de rio entre uma onda e outra.


O trabalho de fotografia e vídeo é de muito boa qualidade. Os melhores pontos de captura garantem um resultado espetacular. Veja você mesmo nos vídeos deste post.


A estrutura de apoio aos visitantes é a Fazenda Terra Verde, que conta com bom bar para lanches, piscina, chuveiros, armários e ótimo restaurante (almoço incluído no pacote de R$ 100,00). Excelente programa para um Sábado ou Domingo.
A localidade de Ponte Coberta fica a 80km do Rio de Janeiro, pouco antes de começar a subida da serra das Araras, em direção a São Paulo. Com bom fluxo de trânsito, gasta-se menos de 1 hora para chegar a Fazenda Terra Verde.

Mais detalhes podem ser obtidos direto no site da Tuareg Rafting.
As coordenadas de início e fim do percurso foram marcadas e podem ser baixadas no arquivo a seguir: Google Earth.
Aproveitem !! Está para acabar !! Na foto aérea abaixo, pode-se ver como é o leito do Ribeirão das Lages hoje. Após o alagamento, vou fazer a comparação para que se possa ver a amplitude do estrago. Querendo a foto em alta, baixar a partir deste link.
 
.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Roteiro para fugir do calor do Rio

Incluindo cachoeiras, trilhas e boa comida.

Este roteiro pode ser acionado num feriado de meio de semana ou num Sábado simples. Fuja de grandes feriadões. Foi executado neste 20 de janeiro (dia de São Sebastião).
Deixe seu carro pronto e checado e arrume sua pequena bagagem na véspera (inclua toalha, repelente, roupa de piscina, muda extra, câmera digital, sandália para caminhada, bolsa térmica com cervejas e/ou refris, biscoitos ou salgadinhos ensacados, dinheiro e protetor solar)
Acorde cedo (7:30h) e pé na estrada, em direção a Teresópolis(90km distante). Parada obrigatória na Casa do Alemão (Washington Luiz) para um lanche, já que você não tomou café em casa.  De volta ao carro, pegue a saída para Teresópolis e deixe R$ 9,00 no pedágio. Ao passar a entrada de Guapimirim, começa a subida da serra. Fique atento que em torno de 8 kms, a entrada da sede do PARNASO (Parque Nacional da Serra dos Órgãos) vai aparecer a direita, pouco após uma curva também a direita.
Na guarita deixe R$ 5,00 pelo carro e R$ 10,00 por pessoa(guarde o ingresso). Não pare no primeiro estacionamento, continue descendo pelo parque, até encontrar a placa do Poço da Capela. Pare seu carro e faça a trilha até o poço(15 minutos). Aproveite e conheça a Capela de Nsa. Sra. da Conceição do Soberbo, datada de 1713. Desfrute o quanto quiser deste poço. Se quiser, nade até a queda d´água e apoiando-se nas pedras, passe pelo lado até ficar atrás da queda. 
Capela e Poço da Capela









Retorne ao carro e suba de volta a pista do parque e pare no primeiro estacionamento, ao lado do Centro de Visitantes. Procure a placa da trilha do Poço Verde e siga para lá (15 minutos). Esta cachoeira é a minha preferida. Já devemos estar perto de 11:00h, portanto, faça uso de seus lanches. Aproveite todas as hidros e pequenas quedas do lugar. Nade até a queda principal e entre por trás da cortina d´água.
Poço Verde
 
Três horas de sol de montanha fazem um bom serviço na pele de quem não está acostumado. Hora de subir a serra até a sede do PARNASO de Teresópolis. Não tem como errar. Ao chegar no Mirante do Soberbo (faça uma parada rápida se quiser), entre para Teresópolis a esquerda. Passando o Pórtico de entrada da cidade, você já vai ver a placa de acesso ao Parque mais adiante. A entrada é a esquerda, bem no começo de uma curva. Reduza, sinalize bem e entre. Mostre o ingresso que você guardou da sede de Guapi e entre com seu carro sem custos. Duzentos metros a frente o Centro de Visitantes, caso queira usar os banheiros (compre água).
Dirija direto, sempre em direção a Estrada da Barragem. Na altura dos 1700 metros de pista, você vai ver a casa do Montanhista e logo a seguir a placa da Trilha do Cartão Postal (nova). Suba mais um pouco e estacione na Pousada desativada. Volte a pé com sua garrafa d´água e suba a trilha (1,2km-40minutos).
Não desista sem ter chegado ao fim. O mirante descortina todas as montanhas, num único lugar (Escalavrado, Dedo de Deus, Frade, São Pedro,...). Para fotografar, vai precisar fazer uma panorâmica. Com um pouco de sorte, é possível ver o Pão de Açucar.
Foto Mirante
Recuperado o fôlego, a descida pode ser feita em 20 minutos, mas aproveite para observar melhor a mata e as grandes árvores, como o Jequitibá.
Chegando ao carro, acredito em torno de 15:00h, a fome já assumiu o controle.
Almoço no Caldo da Piranha, no bairro dos Agriões. Saia do parque e siga para o centro de Teresópolis. Vai passar pela feirinha de artesanato, pelo antigo Hotel Higino, mais 1km adiante pela delegacia de polícia e iniciar uma subida leve. Observe que no final da descida, a esquerda, tem a loja da Casa e Vídeo. Posicione-se para virar a esquerda no sinal e entre na rua lateral da loja. Vá até o fim e dobre a esquerda. Vá até o fim e dobre a direita. Aí está o restaurante.
Um senhor de chapéu (Sr. Roberto) vai lhe ajudar a encontrar uma boa vaga (a esta hora o movimento já diminuiu). Se conseguir, pegue a mesa que fica ao lado do balcão do bar. É a melhor no meu ponto de vista. Caso o Anderson esteja atendendo, melhor ainda.
    Sugestões:
Abrir com um caldinho de piranha, temperado com pimenta e azeite a gosto. Acompanha uma Antarctica Original ou Bohemia. A caipirinha de lima com vodka Smirnoff coada é de lei.
Na sequência, pedir uma porção de pasteis de palmito e camarão com catupiry meio a meio.
Pedir como prato principal um linguado grelhado, com molho de alcaparras e champignon, arrroz e pirão (muito bem servido para dois). Tudo saboreado com muita calma. Ao fim, dá vontade de recomeçar.
E agora? Hora de voltar! Devemos estar por volta das 17:00h.
Por conta das cachoeiras, trilhas, almoço e bebidas, eu sugiro entrar no carro, ligar o ar-condicionado e tirar uma soneca para recompor.
Por volta das 18:30h, hora de voltar, chegando em casa no Rio beirando as 20:00h.

Dentro dos parques, existem muitas outras atrações. Anote-as para quando voltar.
E o calor que fez no Rio? Depois me digam se não é um bom roteiro?
Trilha Suspensa - Sede Teresópolis
Site do Caldo da Piranha - http://www.caldodepiranha.com.br/
Coordenadas Marcadas - Google Earth
.

domingo, 10 de janeiro de 2010

As 12 melhores cachoeiras do Brasil


De acordo com o Guia Brasil @viajeaqui (twitter), estas são as 12 melhores cachoeiras do Brasil.

Cachoeira do Buracão
Ibicoara, BA
Cataratas do Iguaçu
Foz do Iguaçu, PR
Cachoeiras do Vale do Alcantilado
Visconde de Mauá, RJ
Cachoeira do Vale do Rio Macaco
Chapada dos Veadeiros, GO
Cachoeira do Lajeado
Itararé, SP
Cachoeira do Veloso
Ilhabela, SP
Cascata do Caracol
Canela, RS
Cachoeira dos Garcia
Aiuruoca, MG
Cachoeira de Santo Izidro
Serra da Bocaina, SP
Cachoeira de Casca D´Anta
Serra da Canastra, MG
Cachoeira de São Francisco
Prudentópolis, PR
Cascatas do Rio Mimoso
Bonito, MS
Em azul as cachoeiras que ainda preciso conhecer. Excelente projeto para combater este calor de 40 graus aqui do Rio de Janeiro.
.

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Ipiabas – Barra do Piraí – Rio de Janeiro


Depois de passar o réveillon no muro da Urca, olhando a queima de fogos da praia do Flamengo, saímos à caça de cachoeiras, já no primeiro dia de 2010. De carro seguimos para Barra do Piraí, e de lá fomos até um local chamado Itakamosi (Bacia de Pedra em Tupi Guarani). Com o suporte de meu sobrinho Jean que mora na região, fomos até a porteira da Fazenda Comanche. Depois de alguma negociação, fomos autorizados a seguir a trilha até a Cachoeira de mesmo nome. Com duas boas quedas, vale a pena marcar e retornar fora do período das chuvas. Depois de toda a chuva do fim de ano, os poços estavam amarelos, mas mesmo assim, não dispensamos o banho.
Lago em frente a sede e a trilha entre o bambuzal
Cachoeira Comanche de baixo e a de cima
 
 Rio que alimenta as duas cachoeiras
 







Dali, seguimos para Ipiabas, já que lá também tem uma cachoeira grande, de mesmo nome.  Ela também estava bem cheia, mas bem mais limpa. Com muitas quedas, poços e hidros, valeu pelos 5 km de terra, desde o centro de Ipiabas.
Cachoeira de Ipiabas em várias vistas
 
 
 







Antes de voltarmos, uma cerveja gelada na praça de Ipiabas e uma foto para registrar o passeio.


Na volta, registramos duas belas fotos de casas de Fazenda, muito bem preservadas.
Fazenda São João da Prosperidade
Fazenda São Roque

Todas as coordenadas  estão marcadas no arquivo abaixo.
Coordenadas marcadas: Google Earth
.
.
BlogBlogs.Com.Br