segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

São Simão – Cáceres – Cuiabá – Mato Grosso

Voando Gol do Rio para São Paulo e por conexão para Cuiabá, fomos recebidos pelo calor da região, no sol de meio-dia. Enchemos o carro com as bagagens e depois com as compras de mercado. Pegamos a estrada para os 215km até Cáceres, onde era nosso pernoite.
A cidade de Cáceres também é conhecida como a Princesinha do Rio Paraguai. Localizada as margens do Rio Paraguai, é palco de um dos maiores Festivais Internacionais de Pesca Esportiva do mundo. O rio fica coalhado de embarcações (canoas e motorizadas). Fora da semana do festival é possível contratar quartos em Chalanas (barcos hotéis), para passar alguns dias pescando, com todo o conforto de uma estrutura hoteleira. Caro, mas compensador.
 






Dia seguinte seguimos para mais 300km até São Simão, sendo 200km em terra. Com o nome de Rodovia Lenine Póvoas MT-265, (rodovia não é asfaltada?), mandamos ver, tomando cuidado para preservar os pedestres locais (siriemas, cobras, pacas, tamanduás, cotias, tatus,...)










Aproveitamos a pequena distância que nos separava da Bolívia e cruzamos a fronteira para ver
se achavamos alguma barganha que valesse a pena.  O local é conhecido como barraca do Ari. Vende de tudo, mas os preços não merecem atenção. O Mercado Livre tem melhores ofertas. O que está valendo a pena por ali é o preço do combustível e dos pneus. Para não passar em branco, tomei algumas cervejas Pacenas. Lembra um pouco a nossa Antarctica.
Ao fim de cinco horas de estrada, chegamos ao Destacamento Militar de São Simão, nas coordenadas S15°54´37.3” – W60°09´00.4”. Trata-se de uma base do exército, responsável por controlar uma área de fronteira com a Bolívia. Com um efetivo de 14 militares, realizam também funções de cunho social junto a comunidade que vive nos arredores do destacamento como atividades esportivas, educacionais, festas cívicas,...
As instalações lembram um hotel fazenda, com campo de futebol gramado, campo de voley de areia, horta, plantações, churrasqueira e pista de pouso. Cercado por fazendas de gado, o relevo retrata o desmatamento empreendido em nome da produção de carne. Poucas áreas de mata preservada (que já não são primárias), circundadas por imensas áreas de pasto e alguns alagados.
 
Dentre as atividades de lazer mais interessantes está a pescaria do tucunaré. A 10 km do destacamento está a Baia do Padre, um espelho d´água, formado durante a época das cheias no pantanal, que se mantém alagado por todo o ano. Pode-se chegar ao píer de madeira, com as devidas autorizações dos fazendeiros, por carro ou a cavalo. Pesca ideal com barco a motor, para o deslocamento dentro da lagoa. Sobre o píer, a pesca fica mais esporádica.
 
 
Os pássaros são os mais presentes. Siriemas, papagaios, maritacas, anus pretos, anus brancos(raros), joões de barro, andorinhas, quero queros, águias, falcões, canários diversos, e tantos outros que não pude identificar. Que falta faz uma lente teleobjetiva para fazer bons flagrantes.
 
 
Aproveitamos a noite de Natal para introduzir uma nova forma de trazer Papai Noel para a criançada. Em razão das dificuldades operacionais, desta vez, o bom velhinho chegou a cavalo. Mesmo as crianças mais céticas, que nos garantiam não existir papai Noel, mudaram de opinião. Foi muito bacana poder oferecer esta alegria num local tão distante.
 
Locais que gostaríamos de ter visitado, mas que não foi possível organizar a expedição, ficaram para uma próxima oportunidade. Dentre eles, Vila Bela da Santíssima Trindade e o Parque Estadual Serra de Ricardo Franco, distantes 160km e 210km de São Simão, respectivamente. 
Vila Bela foi a primeira capital de Mato Grosso. Mais detalhes sobre a história da cidade podem ser encontrados neste link. Em conversa com os militares mais antigos de São Simão, fiquei sabendo que Vila Bela é uma cidade quase que 100% de negros. Isto se deveu ao fato de serem os negros escravos os responsáveis pelo garimpo no Rio Guaporé nos idos de 1752. Com as dificuldades de transporte das riquezas e doenças, a capital foi movida para Cuiabá. Estes negros, deixados para trás, ainda hoje garantem a sobrevivência da cidade, preservando fortes tradições culturais.
Já o Parque Estadual, criado por decreto em 1997, não possui qualquer recurso de apoio ao turista. Haviamos selecionado alguns pontos de cachoeiras e poços para visitar, que mostro abaixo em fotos que não são minhas. Estivemos quase lá. No arquivo das coordenadas no fim do post, é possível achar suas localizações dentro do parque pelo Google Earth.
Serra de Ricardo Franco ao fundo. Vista de Vila Bela - Rio Guaporé
Cascata dos Namorados
 Poções, paredões e hidros
 
 
 
 
Voltando para o Rio, desta vez seguimos de carro de São Simão para Cáceres. Lá pegamos um ônibus da Viação CentroOeste para Cuiabá, que nos deixou na porta do Hotel Portal da Amazônia, próximo do aeroporto. Dormimos e no dia seguinte o Hotel nos deixou no aeroporto. Voamos Gol, sem quaisquer problemas.
---
Coordenadas Marcadas - Google Earth
Filme das instalações do Destacamento Militar de São Simão - You Tube ou assista abaixo em menor resolução.
BlogBlogs.Com.Br